08.01.16

Dicas

voltar

Prevenção da dengue: Evite focos do mosquito transmissor

Apesar de ser muito presente na nossa vida - todo ano vemos várias campanhas de conscientização - a incidência de dengue na população continua a preocupar pelas dificuldades na erradicação de focos do mosquito transmissor, o Aedes aegypti.
Além disso, parece que poucas pessoas sabem que a doença se manifesta de duas formas diferentes: a clássica (de evolução usualmente benigna) e a hemorrágica (mais grave), e que ainda não tem uma vacina disponível¹. 
A dengue continua um problema de saúde pública, sendo a principal doença transmitida por um mosquito no mundo todo. E mais: países tropicais, como o Brasil, sofre mais ainda com essa doença¹ porque seu clima favorece a proliferação do mosquito transmissor do vírus¹.
Além de ser uma doença que se adapta muito bem ao nosso clima e que manifesta sintomas iniciais compatíveis com uma gripe forte, a dengue também possui outro fator que facilita a sua proliferação e dificulta seu tratamento: existem 4 tipos de vírus dengue¹ (todos podem causar a dengue hemorrágica).
Por isso, a prevenção para que não se espalhem focos do mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti¹, é fundamental. Adotar práticas e hábitos de prevenção da dengue ainda é a forma mais eficaz de combater essa doença e evitar que você ou alguém da sua família seja infectado.
Além disso, os sintomas da dengue são muito parecidos com os da gripe², o que torna seu diagnóstico mais difícil, ocorrendo geralmente quando a doença já está em um estado mais avançado. Para evitar que novas epidemias aconteçam, confira algumas dicas de hábitos que ajudam na prevenção da dengue.
 
Dicas simples de prevenção contra a dengue
Já que atualmente não há uma vacina ou medicamento que consigam acabar definitivamente com o vírus da dengue², a forma mais eficiente de combater essa doença é através da prevenção contra proliferação do mosquito vetor¹. Ou seja, é preciso eliminar aquelas situações ambientais que servem como “berço” para o crescimento do Aedes aegypti, que deposita suas larvas em ambientes com água parada - e essas larvas podem sobreviver por longos períodos².
 
Aqui valem aquelas dicas já bastante conhecidas, mas muito eficientes, sendo a principal não deixar água parada em recipientes:
- coloque areia nos vasos de plantas;
- sempre mantenha caixas d’água e cisternas tampadas;
- não deixe água acumulada em pneus ou garrafas;
- mantenha as calhas e demais recipientes que possam acumular água limpos e desentupidos;
- não deixe água da chuva acumulada em lajes e varandas;
- não jogue lixo em terrenos baldios;
- coloque seu lixo em sacos plásticos e mantenha a sua lixeira bem fechada, evitando o acúmulo de água da chuva.
 
De regra geral, o importante é evitar que haja acúmulo de água parada em algum ponto da sua residência, evitando assim que o mosquito da dengue tenha qualquer chance de se reproduzir e infectar você, sua família e vizinhos.
 
Referências:
1) Ministério da Saúde (Brasil). FUNASA. Dengue: aspectos epidemiológicos, diagnóstico e tratamento.. Brasília.  2002. 
2) Singh S, Kissoon N, Bansal A. Dengue e dengue hemorrágico: aspectos do manejo na unidade de terapia intensiva. Jorn Pediatria. 2007; 83(2):22-35.